Dia Internacional da Mulher

en de pt-br
Por um poder de paz feminino e por uma Cultura de Parceria

Nós mulheres, queremos que a violência desapareça da Terra.
Queremos que a paz entre nas relações entre as pessoas, com a natureza e no amor
Tudo o que é novo terá uma chance de crescer e de se desenvolver livremente. Esta é a nossa vontade política. Tudo o que vive, existe nos nossos corações. Como mães, protegemos tudo o que tenha pele ou pêlo.

Mas a Terra está em turbulência. Há violência contra o planeta, contra os animais, contra as pessoas, contra as mulheres. É o coração fechado que torna a guerra global possível.
Cabe agora essencialmente a nós mulheres, se haverá guerra ou paz nos nossos países.
A dominação masculina tem vindo a moldar a História há mais de 3.000 anos, e desta forma o princípio do “poder forte” foi estabelecido. Esta história tem consistido no quebrar de resistências, na conquista expansionista, nas guerras religiosas e nas restrições sexuais. Um número sem fim de pessoas tiveram de desistir das suas vidas por causa destas estruturas. Ódio, crueldade e violência, ainda dominam o planeta.

Com grande dor tivemos de olhar como a resistência à violência, pode conduzir apenas a mais sofrimento. Falando globalmente, chegámos a um fim da linha, e não encontraremos uma saída, a não ser que nós, como mulheres, tomemos uma posição clara. Este novo poder das mulheres não é direcionado contra os homens, nem contra o nosso amor pelos homens; contudo, abandona definitivamente estas estruturas do sexo masculino que têm contribuido para a destruição da vida e do amor no mundo. Para encarar o poder global da guerra, estabelecemos o poder global de paz.
O poder de paz das mulheres posiciona-se para dar e proteger a vida, e não para a destruição da vida. O poder de paz das mulheres é um poder que está profundamente enraizado na alegria erótica, na ligação com todos os seres e na compaixão global: compaixão por todos os seres que sofrem e morrem sob as estruturas patriarcais. Compaixão com todas as mulheres que estão a ser espancadas, circuncisadas, forçadas a casar, apedrejadas e violadas. Compaixão com a situação dos homens e do seu medo do feminino, que os fez entrar nesta luta.

Nós comprometemo-nos a seguir o caminho da nossa força feminina e de um novo amor pelos homens. Por demasiado tempo tentámos emitar os homens e desta forma reduzindo-nos a nós próprias ao nível de marionetas pseudo-emancipadas da cultura masculina. Um novo movimento de mulheres vai começar quando entendermos esta insanidade e acabarmos com ela. Estamos firmemente comprometidas ao início de uma revolução não violenta, que tomará uma posição pela paz global, onde quer que estejamos. Entramos em solidariedade global entre as mulheres, e desta forma retomamos o nosso poder perdido… um poder que vem do amor.

Agradecemos a todos os homens que se recusam a servir na guerra e se comprometem a trabalhar por um mundo justo. Abrangemos também os homens: Vamos trabalhar juntos para desenvolver sistemas sociais dedicados à solidariedade, compaixão e confiança. Vamos cooperar com os poderes desta Terra, para que os nossos filhos e netos possam viver uma vida que se adapte aos seus desejos autênticos e originais. Deixem-nos mostrar que um mundo sem guerra e violência é possível!

 

One thought on “Dia Internacional da Mulher

  1. Obrigada por estas partilhas de esperança e amor á vida. É tão bom ter contacto com perspectivas destas, é algo com que me identifico sem qualquer dúvida e se começa a afunilar para a minha missão na terra. Obrigada

Share your thoughts:

Your email address will not be published. Required fields are marked *